content.shadow content.bottom.shadow

Sistemas de detecção e extinção automática de incêndios

Numa extinção automática de incêndios o ponto mais importante é a escolha do produto extintor. Em salas onde existe a necessidade de se proceder à extinção sem danificar os diversos equipamentos electrónicos nela instalados, recorre-se à utilização de gás inerte, sem libertação de partículas sólidas que possam entrar e danificar os circuitos electrónicos. A utilização destes sistemas tem em atenção a presença de pessoas no seu interior. Em caso de accionamento do sistema de extinção, a redução de oxigénio resultante é suficiente para que as pessoas possam abandonar a sala em boas condições de habitabilidade. SISTEMA DE EXTINÇÃO DYNAMECO Dynameco é um sistema de extinção por aerossol, que revolucionou o sector da segurança contra incêndios. De dimensões muito pequenas, pode ser aplicado em muitas e diversificadas situações. Este produto, resulta de uma investigação tecnológica avançada para a indústria aeroespacial. Devido à problemática ambiental, aos danos infligidos à camada de ozono e ao consequente aumento da temperatura global, foi sempre difícil encontrar um produto que fosse amigo do ambiente, não contaminante e que fosse verdadeiramente eficaz no combate a incêndios. O sistema Dynameco é uma solução eficiente a este problema, pois é dos poucos produtos no mercado a cumprir as actuais exigências pró ambientais, impostas pelo Protocolo de Kyoto e pela Legislação Europeia vigente. CONSTITUIÇÃO O Sistema Dynameco é composto por um gerador de aerossol, composto por um corpo metálico de forma cilíndrica pintado de vermelho. Este sistema é monitorizado através de uma central de detecção e extinção de incêndios. SISTEMA DE EXTINÇÃO BASEADO EM ENERGEN Este gás é composto por 52% de Azoto, 40% de Argon e 8% de dióxido de carbono. Este agente extintor actua através da inundação completa da sala a proteger reduzindo a concentração de oxigénio de 21% para um valor entre os 12-13 %. Como a maior parte dos incêndios apagam-se por ausência de comburente (oxigénio) quando este atinge concentrações inferiores a 15% este gás torna-se indicado para fogos das classes A, B, C e E.